Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 71 993340015
No comando: Informação sobre a COVID-19

Das 03:00 às 04:00

No comando: Declamações de Poemas

Das 05:00 às 06:00

No comando: Universo em Prosa

Das 09:00 às 09:20

No comando: Palavras para Imagens

Das 09:45 às 10:05

No comando: Como Conseguiram?

Das 11:00 às 11:20

No comando: A Playlist do Taxi

Das 13:00 às 14:00

No comando: Musica Fora do Eixo

Das 14:00 às 15:00

No comando: Poeira das Estrelas

Das 14:00 às 15:00

No comando: Palavras para Imagens

Das 15:45 às 16:05

No comando: Como Conseguiram?

Das 17:00 às 17:20

No comando: Musica de Cabo Verde

Das 17:30 às 18:00

No comando: Tunas de Portugal

Das 17:30 às 18:00

No comando: Fado, Musica do Mundo

Das 17:30 às 18:10

No comando: A Playlist do Taxi

Das 19:00 às 19:59

No comando: Poeira das Estrelas

Das 21:00 às 22:00

No comando: Musica de Cabo Verde

Das 23:00 às 23:30

No comando: Fado, Musica do Mundo

Das 23:00 às 23:40

No comando: Tunas de Portugal

Das 23:00 às 23:40

No comando: Turismo em língua portuguesa

Das 23:00 às 23:59

Menu

Sobre o Projeto RNLP

Grande parte de nós, desconhece quase por completo, as diferenças de sons emitidos pelos quase 300 milhões de homo sapiens que falam português, sobretudo na sua imensa teia de sotaques, timbres, crioulos, dialetos e regionalismos.

Essas sonoridades, são o resultado de uma dinâmica multifacetada, multicolorida e incontrolável. É como se estivéssemos a falar de um ser vivo, com vontade própria. Mas, como soa dizer “Olá” com o sotaque de Díli, capital de Timor Lorosae? Ou, com o sotaque de Viana do Castelo, no norte de Portugal? Ou com o sotaque da Cidade Velha, na Ilha de Santiago em Cabo Verde? Ou será que nestas cidades, utilizam alguma outra palavra que substitui o mesmo sentido dessa? Ou….?

A língua portuguesa é uma língua flexiva, viva e influenciou muitos povos e línguas.

Durante a expansão marítima, os marinheiros portugueses dispersaram o seu idioma pelo mundo e, nos nossos dias, ele é a língua oficial em Moçambique, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, Macau, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste (Timor Lorosae), e ajudou a compor crioulos a partir do português em Cabo Verde, Macau (China), Timor-Leste, Damão, Diu, Goa (Índia), Malaca (Malásia), em enclaves na Ilha das Flores (Indonésia), Batticaloa no (Sri Lanka) e nas Ilhas ABC no Caribe/Caraíbas.

Também é uma das línguas oficiais da União Europeia, do Mercosul, da União de Nações Sul-Americanas, da Organização dos Estados Americanos, da União Africana e dos Países Lusófonos.

Com aproximadamente 300 milhões de falantes, o português é a 5.ª língua mais falada no mundo, a 3.ª mais falada no hemisfério ocidental e a mais falada no hemisfério sul do planeta.

O português é conhecido como “a língua de Camões“, em homenagem a uma das mais importantes figuras literárias de Portugal, Luís Vaz de Camões, autor de Os Lusíadas e de tantos outros poemas universais e humanistas.

O Dia Internacional da Língua Portuguesa é comemorado em 5 de maio. [A data foi instituída em 2009, no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com o propósito de promover o sentido de comunidade e de pluralismo dos falantes do português.

Por termos constatado de que há um desconhecimento generalizado sobre como soa língua portuguesa além do círculo habitual que nos rodeia, construímos este projeto – de forma voluntária – a pensar em aprender mais e partilhar esse aprendizado com todos os falantes de português, por considerarmos que a música é um instrumento mais fácil de promoção da língua portuguesa.

Apesar da língua ser um dos pontos que nos une, há uma imensidão de fios nessa teia que nos torna diferentes, seja pela nossa percepção do espaço, da temperatura, da água, do sol, da terra, do ar ou dos outros que nos rodeiam.

Queremos dar a conhecer essas diferenças, falando abertamente do porquê de elas existirem, das histórias que nos levaram até elas e, talvez, descobrir novas perguntas.

Queremos falar dos sentimentos, dos temperos, da cor, da fé, da força e da paixão que move ou trava essas pessoas.

Apesar do projeto ter nascido e, ter sede em Salvador da Bahia, no Brasil, ele pretende voar além dos soteropolitanos, da comunidade portuguesa, das comunidades de brasileiros, de angolanos, de cabo verdianos, de moçambicanos, de timorenses, de guineenses, de são tomenses, de goeses, de macaenses que pululam por esse planeta fora, para também chegar aos migrantes destes povos na diáspora.

Dirigimos esta rádio a toda a lusofonia [conjunto daqueles que têm o português como língua materna], bem como aos seus amantes, para ilustramos das mais variadas formas, o que nos torna igualmente diferentes, mas inclusivos.

Temos consciência de que há barreiras complicadas, sobretudo quando o nosso ouvido não está habituado a ouvir algumas vogais, ditongos, hiatos ou tritongos mudos ou demasiados abertos.

É difícil combater esse tipo de pensamento e continuar firme, mas com a rádio online – passível de ser ouvida em qualquer parte do mundo, graças à internet – podemos tentar reverter esse quadro trazendo conteúdo de qualidade para as pessoas, engajando-as lentamente na defesa da nossa pátria: a língua portuguesa!

António Cunha

Mentor

Deixe seu comentário: